quinta-feira, 4 de junho de 2009

Vento da Noite


Sinto o vento da noite
no rosto
nas mãos
na janela em que me deito a desejar.

Sinto no vento
o sussuro,
as palavras que guardas,
e que me aguardam
na noite que tanto espero.

Não olho,
mas sinto o teu abraço,
no vento que vem e fica,
na noite que nasce aflita
num pôr de sol urgente,
nas mãos que te prendem,
na noite, no vento.

7 comentários:

Syzygia disse...

O vento da noite tanto pode ser uma suave brisa como um vendaval. A brisa transporta-nos para certos lugares da nossa memória que gostamos de recordar e desejar, muitas vezes, revivê-los ou viver novos momentos com as pessoas das nossas recordações.
O vendaval é mais complicado, pois revolve-nos a vida, os pensamentos, as emoções.
Espero que o teu vento da noite seja uma suave brisa.
*bjs

Paraguaya disse...

Oie.
Lindo, lindo, lindo, amei.

Beijos.

Delirius disse...

Vento!... precioso cumplice!
Beijo, Menino do Mar.

sakura disse...

Gosto de brisas mas de vento não...

izzie disse...

Por isso me dou tão bem com ele... apreciando tanto a calma da brisa como o grito do vendaval... simplesmente gosto da sua fala...

Beijinho,

Tana disse...

Não ver..mas sentir..
não precisar ver para sentir, para gostar..
não há maior prazer e amor que este!
Gostei muito!

Um beijo ao sabor do vento..

Menino do mar disse...

Syzygia:
O meu vento da noite é como a própria noite, um mistério...

Paraguaya:
Obrigado :))))

Delirius:
Simplesmente adoro o vento...
Beijo :)

Flôr:
Eu gosto muito do vento, um dia apresento-vos :)

Izzie:
E diz tanto... :)

Tana:
Disseste tudo... há amores que se amam nas almas :)
Beijo