terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Tons e sons


Uma sirene ao fundo.
A sala em silêncio.
O sol a fazer-se convidado janela dentro.
Uma vela por arder
um incenso queimado.
O bater de uma alma
em compasso apertado.
A rua vazia.
No vento que corre
uma dança balança
entre um swing e um fado.
A chuva escondeu-se
por detrás do azul
o meu caminho é um mapa
sem norte e sem sul.

7 comentários:

Daniel Silva (Lobinho) disse...

"Uma vela por arder
um incenso queimado.
O bater de uma alma
em compasso apertado.
A rua vazia.
No vento que corre"

P A R A B É N S

Sublime poesia.

Abraço amigo

Maçã e Canela disse...

Como é bom ler este blog.
Beijinhos*

conxa disse...

Muy bonito! tiene música y cuanto más lo leo, más me gusta. felicidades.
Conxa

Anônimo disse...

La música de fondo y tus palabras, son preciosas. felicidades.
Conxa

sakura disse...

Lindo. Mesmo muito lindo, meu amor.
Não é à toa que te digo que cada dia escreves melhor.
As tuas palavras transportam-nos no espaço e no tempo...
E é bom voar assim...ao sabor das palavras.

Beijo imenso,
da tua Flor

Anna disse...

Gosto especialmente do jogo de dicotomias inicial - pequenos contrastes que não vivem sem o seu contraponto!
Mais uma vez, os sons e tons da natureza fazem-nos como que sentir (com todos os sentidos) aquilo que descreves com poucas palavras, mas grande intensidade!
Muito bom! *

Luz disse...

Palavras que evocam todos os elementos sentidos e por sentir num caminho que não tem norte nem sul...
Gostei.

Abraço de Luz