sexta-feira, 3 de julho de 2009

Sentir Florbela

foto: lua sobre o mar


Eu queria ser o Mar de altivo porte
Que ri e canta, a vastidão imensa!
Eu queria ser a Pedra que não pensa,
A pedra do caminho, rude e forte!

Eu queria ser o sol, a luz intensa
O bem do que é humilde e não tem sorte!
Eu queria ser a árvore tosca e densa
Que ri do mundo vão e até da morte!

Mas o mar também chora de tristeza...
As árvores também, como quem reza,
Abrem, aos céus, os braços, como um crente!

E o sol altivo e forte, ao fim de um dia,
Tem lágrimas de sangue na agonia!
E as pedras... essas... pisa-as toda a gente!...


Florbela Espanca

6 comentários:

*B* disse...

Menino do Mar, que bom gosto...

=)

A Gata Christie disse...

E o que eu amo a escrita de Florbela!

Delirius disse...

e as pedras... essas... pisa-as toda a gente!!!....

★ Aralis ★ disse...

adorei recordar Florbela, enho de voltar a ler os meus amados ivros, e as suas palavras tao inspiradoras.
Obrigada pelo recuerdo!

Bjo

A mais nova disse...

de muita inspiração me serviu esta Senhora quando tinha de fazer poemas para trabalho de casa...

"quando tinha (..)trabalho de casa".. meu Deus que velha me senti agora!

Daisy Maria disse...

também gosto de florbela espanca. o problema é que tenho uma prof de fq que se chama florbela isabel.. e só o nome me dá náuseas, que a mulher é estúpida comigo que se farta -.-