segunda-feira, 25 de abril de 2011

Despido

Quem segue só para o espaço,
ou só para o tempo?
Quem segue sem nada
apenas cansaço,
pela estrada que o leva a nenhum lado?

Quem vive e voa sem rumo,
ou atravessa a nado
o rio profundo,
deste para esse lado?

Quem esperas que seja,
se mais não sou que a estrela
que se esconde ao raiar do dia,
não por medo ou tristeza,
mas por ousadia?

Quem chega sem partir,
quando a viagem é longa,
e sem mapa nem mundo,
ou ponto de partida?

Dispo-me de mim,
e desembainho a espada imaginária.
Desafio o mundo num duelo,
e qual herói lendário,
sou rei do meu castelo
sem paredes, nem redes onde me deitar.

4 comentários:

Roxanne disse...

a única coisa que não recomendaria seria o despir de ti mesmo...

Carlota Pires Dacosta disse...

Desafiar o mundo num duelo
Desafiar o mundo, inglório
Sonhos desfeitos, tortuosos
Esperar um dia, o sol brilhará!

Asiram disse...

tudo depende da forma como nos despimos :P

sakura disse...

Sinto saudades de te ler...
Volta a escrever meu amor.

Amo-te.

Flor